Rio de Janeiro, 06/05/2009 –

 A Marinha do Brasil realizou o salvamento de dois tripulantes do veleiro “Dalkiri”, de bandeira da África do Sul, que estava naufragando em meio a uma tempestade no Oceano Atlântico a, aproximadamente, 2.000Km da costa do Estado do Rio de Janeiro. A tripulação era formada por um casal, sendo ela cidadã inglesa com 59 anos de idade, e ele sul africano, com 63 anos. O casal residia no próprio veleiro.

O “Dalkiri” é um veleiro de 32 pés (10 m) e já esteve no Brasil em outras ocasiões, conforme os relatos de suas aventuras ao redor do mundo, contidos na sua página na internet – http://www.dalkiri.co.za. Nesta viagem, o “Dalkiri” partiu do porto de São Francisco do Sul – Santa Catarina, em 30 de maio, e dirigia-se para a África do Sul, quando foi apanhado por uma violenta tempestade, após ficar alguns dias parado no mar em meio a uma calmaria.

As buscas e o resgate

O pedido de socorro do veleiro “Dalkiri”, emitido no dia 1º de maio, foi recebido por outro veleiro chamado “Far Away”, que por sua vez o retransmitiu para uma estação rádio amadora da África do Sul. A estação rádio acionou o Centro de Coordenação de Busca e Salvamento de Cape Town e este pediu apoio à Marinha do Brasil, por intermédio do SALVAMAR BRASIL, uma vez que o veleiro se encontrava em águas oceânicas cuja responsabilidade pelas atividades de busca e resgate (SAR – Search And Rescue) são do nosso país.

O Centro de Coordenação de Busca e Salvamento do Rio de Janeiro (SALVAMAR SUESTE), que funciona no Comando do 1º Distrito Naval, assumiu a coordenação das buscas, realizando contato com diversas estações rádio costeiras e navios mercantes que estavam navegando na área.

No dia primeiro de maio, uma intensa frente fria havia atingido o local e os navios que se encontravam na região informaram haver ondas de 7 a 8 metros de altura, com ventos de até 40 nós (72 Km/h). Três navios mercantes foram acionados para auxiliar nas buscas imediatas, porém nem todos puderam atender ao pedido, uma vez que o estado do mar não permitia que os navios navegassem em direção ao local onde o veleiro se encontrava.

Devido à grande distância do local onde estava o veleiro, aproximadamente 2.000Km da costa do Rio de Janeiro, a Marinha do Brasil acionou o navio de serviço da Esquadra, a Fragata “Bosísio”, que suspendeu às duas horas da manhã do dia 2, com um helicóptero. A Força Aérea também foi acionada para auxiliar nas buscas ao veleiro.

Até o dia 3 não havia sido realizado outro contato com o veleiro. Nesse dia a Força Aérea Brasileira enviou um Hércules (C-130) para auxiliar nas buscas, em coordenação com um navio mercante.

No dia 4, a Marinha do Brasil solicitou o apoio dos navios mercantes “Green Harvest” e “Artic Trader”, que foram ao encontro do “Dalkiri”. No final da tarde, os navios mercantes conseguiram estabelecer comunicações com o veleiro que ainda estava com problemas de alagamento e sem possibilidades de navegar. Na madrugada do dia 5, os navios encontraram-se com o veleiro, reportando que o mar estava bem melhor e que os tripulantes passavam bem.

Nesse mesmo dia, a Fragata “Bosísio” chegou na área e, ao final da manhã, realizou o salvamento dos tripulantes, utilizando o seu helicóptero, em uma manobra conhecida por “pickup”, onde o casal foi resgatado do veleiro para o helicóptero por meio de um guincho. O Navio Mercante “Artic Trader” permaneceu ao lado do veleiro até a remoção do último tripulante. O veleiro “Dalkiri” foi abandonado em processo de afundamento.

Devido à distância do local do resgate e às buscas realizadas, a Marinha do Brasil precisou acionar o Navio Tanque “Gastão Mota”, que partiu do Rio de Janeiro e encontrará a Fragata no seu regresso, para reabastecimento de combustível. A Fragata “Bosísio” chegará no Rio de Janeiro na noite do dia 08 para 09 de maio.

O importante é que, como resultado de todo esforço despendido, duas vidas humanas foram salvas.

FONTE:
http://noticiasmilitares.blogspot.com/

antena.gif

POIS É UM RADIO AMADOR AJUDANDO A SALVAR VIDAS, EM PLENA ERA DA INTERNET E SATÉLITES. SALVE O RÁDIO!!!!

COMENTE ESTA NOTÍCIA…

EM TEMPO: NA AFRICA DO SUL NÃO TEM PLC!!!