ELETRONICA @UTOMOTIVA

Electrónica Automóvel

FONTE:http://www.electronica-pt.com/index.php/content/view/106/56/

Os automóveis actuais não funcionam sem a ajuda dos circuitos electrónicos incorporados. O controlo de funcionamento dos componentes mecânicos, a verificação do seu estado, a ajuda ao condutor nas mais diversas funções são neste momento co-ajudadas por uma serie de circuitos, que visam sobretudo aumentar o nível de segurança e conforto de um automóvel.
A electrónica automóvel é por isso uma área muito especializada, com esquemas específicos.

Circuitos:

Ajuda Electrónica para estacionamento

Ajuda electroncia estacionamento

Componentes

  • R1-10K 1/4W Resistor
  • R2,R5,R6,R9-1K 1/4W Resistors
  • R3-33R 1/4W Resistor
  • R4,R11-1M 1/4W Resistors
  • R7-4K7 1/4W Resistor
  • R8-1K5 1/4W Resistor
  • R10,R12-R14-1K 1/4W Resistors
  • C1,C4-1µF 63V Condensadores Electroliticos ou Polyester
  • C2-47pF 63V Cerâmico Capacitor
  • C3,C5-100µF 25V Capacitores Electroliticos
  • D1-Infra-red LED
  • D2-Foto Diodo Infra-Vermelhos
  • D3,D4-1N4148 75V 150mA Diodos
  • D5-7-LEDs (qualquer cor ou dimensão)
  • IC1-555 Timer IC
  • IC2-LM324 Low Power Quad Op-amp
  • IC3-7812 – 12V 1A Regulador tensão IC

Montagem

Este circuito foi projectado para estacionar o carro perto da parede da garagem. O diodo emissor de luz D7 ilumina-se quando a distância para a parede é aproximadamente 20 cm., D7+D6 ilumina-se aproximadamente 10 cm. e D7+D6+D5 aproximadamente 6 cm. O circuito alerta desse modo ao aproximar-se demasiado perto da parede.
Todas as distâncias mencionadas podem variar, dependendo dos diodos emissores de luz transmissores e de recepções infravermelhos usados no circuito e são afectados na maior parte dos casos pela cor da superfície. Teste as distâncias em situações especificas.

Notas:

  • A fonte de alimentação deve ser regulada (daqui o uso de IC3) para tensões precisas da referência. O circuito pode ser alimentado por uma fonte de alimentação, tendo uma tensão da saída da C.C. na escala 12-24V.
  • Diodos emissores de luz fora de 40mA; todos os diodos emissores de luz na fonte da C.C. 60mA @ 12V.
  • O diodo infravermelho D2 da foto, deve ser do tipo que incorpora um filtro ótico da luz solar: estes componentes aparecem em caixas plásticas pretas. Alguns deles assemelham-se aos transistor TO92: neste caso, anotar por favor que a superfície sensível é curva, não lisa.
  • Evitar o sol ou a luz artificial incida directamente em D1 & D2.
  • Se seu carro tiver para-choques preto, (pode incidir os diodos sobre uma área clara, chapas de matricula por exemplo).

Falso Alarme Automóvel

Este circuito coloca um led normal a piscar simulando um alarme activo no veículo, são apresentados dois esquemas um com o transístor ZVP2106 e outro com o 2N3906, os circuitos são semelhantes, apenas varia o valor da resistência de base.

Simulador de alarme para carro


Comutador automático luzes

Este circuito destina-se a mudar as luzes de máximos para médios automáticamente, assim quando o veículo circula e recebe luz em sentido contrário, se o condutor inadvertidamente circular em máximos, o circuito muda automáticamente as luzes para médios.

Comutador de luzes para carro

Ref

QT

Descrição

R1

1

5K 1/4W Resistor

R2, R3, R4

3

5K Potenciometro.

Q1

1

NPN Foto transistor

Q2

1

2N3906 PNP Transistor

K1

1

Low Current 12V SPST Relay

K2

1

High Current 12V SPDT Relay

S1

1

SPST Switch

B1

1

Bateria Automóvel

MISC

1

Caixa, botôes do potenciómetro, fios

  1. Q1 deve ser montado de forma a que aponte para uma linha sem obstáculos, deve ser colocado na parte dianteira do carro, .
  2. Ajustar todos os potenciômetros para uma resposta apropriada testando numa estrada deserta.
  3. S1 liga e desliga o circuito.
  4. B1 refere a bateria do carro.

  5. Antes de fazer este circuito tente adquirir o diagrama eléctrico do automóvel
  6. A ligação A vai ao circuito do feixe elevado (máximos), B vai à terra comum do interruptor do farol e C conecta ao circuito baixo do feixe (médios).

Mostrador de Estado da Bateria

verificador de tensão da bateria

O circuito verifica o estado da bateria dando indicação se a bateria tem 12 Volts. A alimentação do circuito é fornecida por duas pilhas ou pode ser ligado a uma fonte de 3 Voltas obtida a partir do veículo.


Amplicador de áudio para carro 50W

Amplificador para Carro

TDA1562 – Datasheet

O circuito é mono, para usar em dois canais estéreo é necessário montar dois canais. ATENÇÃO – O circuito em stereo consome 10 Amperes com dois canais, uma bateria normalmente tem uma carga de 60Ah, o uso com a viatura desligada pode descarregar rapidamente a bateria.A ligação deve ser executada a um circuito que permita os 10A com fio condutor com diâmetro que suporte a carga.Não ligue o circuito directamente à chave da viatura não suporta a carga. Não utilize impedâncias de altifalantes inferiores a 4ohm nem ligue altifalantes em paralelo de 4ohms, o Ci tem um circuito de protecção contra distorção.


Avisador de Luzes Ligadas

Este circuito destina-se a evitar que ao deixar o carro as luzes fiquem ligadas.

Avisador de luzes carro ligadas Este circuito destina-se a evitar que ao deixar o carro as luzes fiquem ligadas.


Temporizador Para-Brisa

Este circuito destina-se a intervalar o movimento do limpa para-brisa.

Intervalador de limpa para-brisa

SMD

SMD (Surface Mounting Devices)

SMT (Surface Mounting Technology)

A tecnologia de montagem em superfície (SMT) é um método para construir componentes electrónicos em que os componentes (SMD, Surface Mounting Devices) são montados directamente na superfície de placas de circuito impresso (PCBs). Os dispositivos electrónicos com esta tecnologia denominam-se SMDS. Um componente de SMD é geralmente menor do que seu equivalente convencional porque as ligações aos seus terminais são menores. As ligações externas podem ter diversos formatos e cápsulas, possuindo contactos curtos ou no corpo do componente (componentes passivos, resistências, condensadores). Os dispositivos de SMD são demasiado pequenos para ter o tipo convencional de referência semicondutor. Em substituição, criou-se um sistema de codificação e referenciação, onde o pacote do dispositivo carrega um código de dois ou três caracteres de identificação. Manusear um componente SMD , isto é soldar , dessoldar , posicionar , medir , ou mesmo ler o seu código , não é uma tarefa simples. A dificuldade de trabalho com este tipo de componentes impossibilita muita vezes a reparação directa, levando à substituição completa da placa, no entanto, existem alguns casos em que a substituição de componentes é viável, não só pelo mesmo componente como também pelo seu equivalente convencional possibilitando reparações com custos muito menores.

Identificação de um componente SMD

Infelizmente cada componente não tem uma referência única, o melhor método de identificar um SMD verificar primeiro a caixa e posteriormente o código no componente.
Componentes SMD
Caixas Componentes SMD

Resistor SMD

1ºValor=1º número
2ºValor=2º número
3ºValor=Multiplicador
Neste exemplo a resistencia tem um valor de: 1200 ohms = 1K2
1ºValor=1º número
O “R” indica virgula
3ºValor=2º número
Neste exemplo a resistência tem o valor de: 1,6 ohms
” R ” indica ” 0. “
2º Valor = 2º número
3ª Valor = 3º número
Neste exemplo a resistência tem o valor de: 0.22 ohms

Capacitor SMD 

A identificação de um o código é constituido por 3 números, por exemplo, 226
SMD capacitor
O valor do condensador será 22000000 pF, ou seja, 22 micro Farads o valor do componente é dado pelos dois primeiros digitos, sendo o terceiro o número de zeros sendo o valor em pF. Em valores pequenos pode ser apresentado como 10 (10 pF), ou 4.7 (4,7 Pf). O valor na parte inferior refere a tensão máxima admissivel.

 

fonte http://www.electronica-pt.com/index.php/content/view/145/37/

TUDO SOBRE PILHAS E BATERIAS

Tipos de Baterias e Pilhas

Pilhas e baterias

Uma pilha ou bateria é um dispositivo que transforma energia química em energia eléctrica. A pilha tem três partes: os electrodos, o electrólito e o recipiente.

Os electrodos são os condutores de corrente da pilha.
O electrólito é a solução que age sobre os electrodos.
O recipiente guarda o electrólito e suporta os electrodos.

Existem dois tipos básicos de pilhas.

A pilha primária é uma pilha na qual a reacção química acaba por destruir um dos electrodos, normalmente o negativo. A pilha primária não pode ser recarregada.

A pilha secundária é uma pilha na qual as acções químicas alteram os electrodos e o electrólito. Os electrodos e o electrólito podem ser restaurados à sua condição original pela recarga da pilha.

Acção Electroquímica é o processo de conversão de energia química em energia eléctrica.
O ânodo é o electrodo positivo de uma pilha.
O cátodo é o electrodo negativo de uma pilha.

Capacidade de uma bateria

A capacidade de uma bateria define a sua a capacidade energética é expressa em ampère-hora (1 A·h = 3600 coulombs). Se uma bateria debita um ampère (1 A) de corrente (fluxo) por uma hora, tem uma capacidade de 1 A·h. Se puder fornecer 1 A por 10 horas, sua capacidade é 10 A·h.

Baterias Alcalinas

Bateria Pilhas Alcalinas

As pilhas alcalinas são as usadas normalmente em lanternas, rádios, etc…

Vantagens: custo baixo, são vulgares podem-se encontrar com facilidade em qualquer lugar, durabilidade e potencia elevada para seu tamanho/peso.

Desvantagens: a grande maioria dos modelos comercializados não pode ser recarregada e geralmente é necessária a utilização de suportes para utilização nos diversos dispositivos.

Baterias de Chumbo

 Bateria ácida de chumbo

As Baterias chumbo-ácido foram inventadas no Séc. XIX, tem como componentes básicos o chumbo ou óxido de chumbo e o ácido sulfúrico.

Vantagens: custo relativamente baixo, resistência a grandes variações de temperatura e grande durabilidade.

Desvantagens: pesada, demora bastante tempo a ser carregada, descarrega-se rapidamente, sofre uma diminuição (pequena, mas constante) de voltagem durante sua utilização e não pode ser recarregada totalmente com tanta frequência como os outros tipos. A sua melhor utilização é esporádica, uma vez que este tipo de bateria é desenhado para ser constantemente carregada e eventualmente descarregada (ex.: é o tipo utilizado em automóveis, sendo carregada com o motor em funcionamento e descarrega nos arrancas ou no funcionamento de dispositivos com o veiculo desligado).

Carregador Baterias Chumbo

Lítio

  Bateria Lítio - (Li+)

A pilha de Lítio popularizou-se com o aparecimento de micro circuitos electrónicos utilizados em relógios, jogos, etc…

Vantagens: destaca-se entre os demais tipos por descarregar-se muito lentamente quando armazenada carregada (em média 10% ao mês), e pelo tempo de recarga baixo. Entre todos os outros tipos, são as mais leves. Oferecem cerca do dobro da capacidade de uma bateria do tipo NiMH com o mesmo tamanho. O tempo de recarga também é o mais rápido quando comparado aos demais tipos.

Desvantagens: custo elevado.

Níquel-cádmio (NiCd)

Bateria Níquel-Cádmio

A bateria de níquel-cádmio (NiCd) foi inventada no Séc.XX.

Vantagens: potencial energético maior do que o da de chumbo-ácido, o que faz com que seja de 20 a 50% mais leve, proporcionando um tempo de utilização superior para o mesmo peso. Não sofre queda de voltagem durante a utilização.

Desvantagens: custo mais alto do que o da de chumbo-ácido, é muito tóxica para o meio ambiente (devido ao cádmio). Além disto, este tipo de bateria sofre mais com extremos de temperatura, descarregando-se muito rapidamente em temperaturas muito baixas e não se carregando totalmente em temperaturas muito elevadas.

Carregador NiCAD

Níquel Hidreto Metálico (NiMH)

Níquel-Hidreto Metálico (NiMH) - Bateria

A bateria de níquel-metal-hidreto (NiMH) possui algumas vantagens em relação aos outros tipos: resiste a um número maior de cargas/descargas na sua vida útil do que as de NiCad, possuindo um potencial energético ligeiramente superior (20% em média); ainda em comparação com as de NiCd, possui custo apenas ligeiramente superior, tempo de recarga inferior e maior resistência a variações de temperatura. Tem praticamente o mesmo peso que as de NiCd. Ambientalmente é mais amigável do que a de NiCD.

Desvantagem: custo superior ao das de níquel-cádmio.

Zinco Ar

Bateria Zinco Ar

As pilhas de zinco-ar são a mais recente tecnologia desenvolvida para o armazenamento de energia. Este tipo de bateria funciona extraindo o oxigénio existente no ar para reagir com o zinco e produzir electricidade. Seu princípio de funcionamento é semelhante ao das baterias alcalinas, que também possui zinco no seu interior reagindo com o oxigénio para produzir energia. Porém, nestas baterias o oxigénio é fornecido por um componente interno (dióxido de manganês), nas baterias do tipo zinco-ar , o oxigénio vem da atmosfera, a bateria tem várias aberturas.

Existem dois tipos de baterias zinco-ar: as que podem ser recarregadas e as descartáveis. Baterias deste tipo recarregáveis (onde células de zinco são substituídas) são utilizadas em aplicações como veículos eléctricos movidos a bateria. A grande vantagem deste tipo de bateria é sua durabilidade (tempo de descarga), muito maior do que a dos outros tipos até hoje existentes.

Baterias de Gel

Bateria Gel

As baterias de gel substituem as baterias de chumbo permitindo uma vida útil mais prolongada. Basicamente não têm evaporação electrolítica e suas consequências, como acontece com as baterias ácidas. Existem baterias de reduzidas dimensões especialmente concebidas para aplicações RFID.

Vantagens – Não têm evaporação electrolítica, maior resistência a temperatura elevadas, choque e vibração. 

Desvantagens – Preço mais elevado do que as baterias de chumbo. 

Carregador de bateria de gel ou ácida

Carga Baterias

Baterias e pilhas recarregáveis necessitam de carga, existem vários métodos para carregar uma bateria

Tensão Constante:

Também conhecido como carga em “flutuação”, este método aplica uma tensão constante nos pólos da bateria. A corrente de carga será determinada pelas características eléctricas e químicas da bateria em carga. Isso não é recomendável uma vez que se a bateria estiver com suas grelhas internas em curto circuito a corrente circulante pelo sistema será elevadíssima. Esse método tem um inconveniente que é o elevado tempo de carga, uma vez que quando mais energia a bateria absorve, menor é a corrente de carga aplicada.

Tensão Constante-Limite Corrente:

método semelhante ao anterior mas com a protecção de sobre-carga evitando assim problemas de correntes elevadas no sistema

Corrente Constante seguido de Tensão Constante:

A bateria é carregada com uma corrente constante até que atinja a sua tensão de flutuação (aprox:10% acima da tensão nominal ), ao que após, o carregador passa a actuar no modo de tensão constante, evitando assim sobrecarga e mesmo a auto-descarga.

Corrente Constante p/ Tempo Definido:

Este tipo de carga aplica uma corrente controlada constante pela bateria por um período determinado limitando o tempo de carga

Corrente Constante seguido de Tensão Corrigida:

A corrente é constante durante a carga até que a bateria atinja sua tensão de carga (20% acima da sua tensão nominal ) então, o carregador comuta para a tensão de flutuação mantendo a bateria neste estado indefinidamente.

Corrente Constante seguido de Tensão Corrigida e Queda de Corrente:

Idêntico ao anterior, a diferença é que quando atinge a tensão de carga, espera até que a corrente da bateria caia abaixo de 1% da sua capacidade nominal para que então comute para a tensão de flutuação, o que garante uma carga mais eficiente. É o método que melhor carrega a bateria, sem nenhum risco de dano.

Delta de Tensão Zero ou Negativo:

Aplica-se uma corrente constante pela bateria de forma a que sua tensão vá subindo (absorvendo energia) ate um ponto em que a subida de tensão termina. Neste ponto, em que a tensão parou de subir, termina-se a carga sob a condição de Delta V Zero. Em alguns tipos de bateria, após o ponto de delta de tensão zero, a tensão começa a cair produzindo uma variação de tensão para baixo, caracterizando o termino por Delta V Negativo.

Temperatura Máxima:

A corrente de carga é bastante elevada, limitada apenas pela temperatura da bateria.Necessita de refrigeração para que se mantenha a temperatura da bateria sempre constante no seu limite máximo

 
fonte:http://www.electronica-pt.com

fontes

Fonte de alimentação 12 Volt

Fonte alimentação 12V


Fonte de alimentação 9 Volt 2 Amp

Fonte alimentação 9V 2A


Fonte de alimentação 15 Volt Dupla

Fonte alimentação 15V - 15V


Fonte de alimentação 12 Volt 30 Amp

Fonte alimentação 12V 30A


Fonte de alimentação 13 Volt 20 Amp

Fonte alimentação 13V 20A


Fonte de alimentação Tensão Variável c/ L200

Fonte alimentação L200 Variável


Fonte de alimentação comutada (chaveada) 2A

Fonte alimentação chaveada


Unidade de alimentação ininterrupta 12V UPS

UPS 12V  
fonte:http://www.electronica-pt.com/index.php/content/view/113/63/